ENTREVISTA A EDGAR SILVA por Maria João Guardão

641

 

O candidato presidencial Edgar Silva optou por não responder directamente às questões colocadas pela plataforma Capazes.

As questões eram estas:

  1. Como define feminismo? É feminista?
  1. A Igualdade de Género em Portugal está consagrada na lei. E na realidade? Que comportamentos discriminatórios identifica nas estruturas sociais, económicas, políticas e culturais? Quais os preconceitos e estereótipos de género arreigados na sociedade que mais urgentemente devem ser combatidos? E como?

Por exemplo, continua a existir um gap salarial entre homens e mulheres, tanto mais elevado quanto mais alto se sobe na hierarquia (em Portugal, as mulheres auferem, em média, de acordo com dados do INE, menos 17% quando comparadas com o sexo masculino, valor que aumenta nos escalões superiores). A que se deve esta situação, na sua opinião? Como se combate?

  1. Como evoluíram as suas noções de género? Reconhece hoje situações de discriminação que antes não identificasse? Já detectou em si comportamentos machistas? – quer exemplificar? Conte-nos um episódio da sua experiência pessoal em que tenha presenciado/vivido um comportamento discriminatório em questões de género.
  1. A presidência da República tem género? – falamos de poder, não apenas de terminologia. “Quanto mais se sobe (na escala de poder), menos mulheres se encontram”, afirmava Wangari Maathai, Prémio Nobel da Paz. Comente, com a sua experiência pessoal.
  1. Como vê o que tem sido a figura da Primeira Dama? E a existência, desde 1996, por lei, de um gabinete de apoio ao cônjuge do PR – deve esse gabinete e correspondente dotação orçamental existir?
  1. O Conselho de Estado, órgão político de consulta do Presidente da República, conta actualmente com uma mulher entre os seus 19 membros. Qual a sua análise e posição em relação a esta situação, tendo em conta que cabe ao PR designar cinco cidadãos que exercerão as funções durante o seu mandato?
  1. Qual a sua posição acerca da criminalização do assédio sexual – no trabalho e na rua?
  1. Qual a sua posição acerca do acesso à Procriação Medicamente Assistida para todas as mulheres?
  1. Sobre a alteração à lei da IVG, recentemente revertida: qual a sua posição? Votaria contra ou a favor dessa alteração? Porquê?
  1. Qual a sua posição sobre a concretização do princípio da igualdade de género no regime jurídico da parentalidade? Deve ser obrigatória a partilha em igualdade de licenças parentais por ambos os progenitores? E, se sim, como preconiza a aplicação dessa obrigatoriedade?
  1. A Lei da Paridade foi promulgada há quase 10 anos. Que balanço faz? Era, ao tempo, contra ou a favor? Como evoluiu a sua posição? Considera que a medida deve ser estendida a outras áreas, como os conselhos de administração de empresas? Como aplicaria a obrigatoriedade? E com que tipo de sanções?
  1. Em relação à sua mais recente prestação televisiva: que percentagem dos comentários foi atribuída ao conteúdo do seu discurso / à forma como disse o que disse / à sua aparência?
  1. Alguma vez lhe disseram “a sua energia é agressiva” ou algo equivalente? Em que situação?
  1. Que questões directamente relacionadas com género lhe foram dirigidas até agora nesta campanha para as presidenciais?

A resposta do candidato foi esta:

Ler artigo completo ...