PORTUGAL E ARGENTINA: 12 MIL QUILÓMETROS DE DISTÂNCIA por Maria Celeste Vieira

257

As distâncias geográficas perseguem-me desde sempre e acredito que para o resto da vida. Neta e filha de migrantes (está na moda sem o ‘e’), sinto que pertenço a várias latitudes, físicas e emocionais. Nasci num sítio, cresci noutro e tenho a maioria dos meus mais que tudo a umas longas (longuíssimas) horas de avião.

Aos 5 anos senti, pela primeira vez, o que era estar longe de alguém. Experimentei, ainda que de uma forma subtil, o sabor da despedida. Não me lembro de malas, nem de arrumações, nada. O que me ficou na memória foi uma conversa em forma de metáfora – embora para mim, tivesse sido entendida como literal – no terraço da casa da minha tia Maria. E, foi nesse cenário que ouvi, pela primeira vez, a palavra Portugal. O meu pai estava de partida para a aventura da emigração – que duraria 25 anos – e nós (a minha mãe, eu e a minha irmã) iríamos ter com ele, uns meses depois.

– Por-tu-gal? Mas onde é que isso fica? – perguntei eu, do alto dos meus 5 anos, convencida que dominava o mapa mundi.

– Estás a ver aquelas duas estrelinhas muito juntas, ali no céu? – explicou o meu pai, apontando para cima – Uma delas é Argentina, e a outra, ao lado, é Portugal. Como vês, ficam ao lado uma da outra, por isso não tens de te preocupar!

E, foi assim que o meu pai resolveu o problema da distância, naquele dia. Durante algum tempo, já em Portugal, eu rebatia as opiniões dos meus colegas de escola que me juravam que Portugal ficava ao lado de Espanha, na Europa. Para mim, eles estavam enganados.

Vinte e tal anos e umas aulinhas de geografia depois… a minha cabeça consegue identificar no globo que Portugal e Argentina estão a 12 mil quilómetros e muitos euros de distância. O engraçado é que, no meu coração, eles continuam juntinhos (e talvez para sempre), como aquelas duas estrelas, brilhantes e grudadas, do céu dos meus 5 anos de idade.