O lugar de uma mulher e a liberdade de expressão

817

As semelhanças entre Joana Bento Rodrigues e Serena Joy, a personagem fictícia de “The Handmaid’s Tale”, são gritantes a ponto de nos fazer pensar que não estamos assim tão distantes da sociedade distópica descrita no livro, em que as mulheres estão confinadas a ser cálices de sémen para gerar filhos. Porém, tal como Serena, Joana esquece-se que, na sociedade descrita por si, também ela perderia o emprego e a sua opinião nem sequer seria publicada. O número “preocupante” de mulheres no ensino superior e em profissões que outrora eram destinadas ao sexo masculino, como a advocacia e a medicina, só se tornou possível devido ao feminismo do qual ela tanto desdenha. Não havia necessidade de proclamar o seu anti-feminismo, pois essa ideia transborda ao longo de todo o texto.

Talvez o que assuste mais seja a formação académica da autora – apesar dos estudos e de ser médica, feitos que certamente terá conquistado por mérito, Joana defende que as mulheres não têm outro potencial além do matrimonial, maternal e da actividade doméstica.

A crónica de Joana sofre de um transtorno dissociativo de personalidade, pois deambula entre a defesa da igualdade retributiva do homem e da mulher – a qual, como cedo percebemos, serve apenas como framing device para criticar o movimento feminista – e a defesa do oposto: a mulher deve ficar em casa, a cuidar dos filhos, a viver do rendimento do marido que a sustenta, e nem sequer se importa de ganhar menos que o cônjuge (pelo contrário!), pois é normal que este dedique mais tempo ao trabalho, tendo mais “sucesso laboral” do que a mulher, até porque não pode ter filhos por impossibilidade biológica. Não se compreende, afinal, o argumento de que o feminismo deveria lutar pelos direitos da mulher no contexto laboral – na verdade, houve progressos legislativos relativamente ao assédio sexual no local de trabalho e já entrou em vigor a nova lei sobre a igualdade remuneratória entre homens e mulheres –, visto que a Joana não está realmente preocupada com essa desigualdade.

O perpetuamento de estereótipos relativos às feministas é o verdadeiro cerne do texto, que as acusando de “não precisarem de relações estáveis”, de “não querer engravidar para não deformar o corpo nem perder oportunidades profissionais” e que “fogem da elegância no vestir e no estar”, escolhendo antes objectificar-se, sendo “fonte de desejo em relações casuais, rejeitando todo o seu potencial feminino, matrimonial e materno”. Em resumo: as feministas querem sexo fácil e destruir a Família, esse pilar que é tão importante para a cronista. Demonstra, assim, uma total ignorância sobre o que o Feminismo defende: a liberdade, a igualdade e a dignidade da mulher. Essa liberdade pode ser financeira, individual e sexual, o que implica que não necessitemos de depender financeiramente de um homem, que o nosso corpo não seja injuriado e maltratado e que tenhamos a liberdade de escolher os nossos parceiros sexuais – seja ele estável ou casual, sejam vários ou nenhum, quando e onde quisermos. Porque essa escolha é individual e não cabe a ninguém julgar uma mulher pelos relacionamentos que escolhe para a sua vida. Da mesma forma, o feminismo nunca quis acabar com a família, sendo comum que muitas feministas escolham casar e ter filhos. Podem até optar por prosseguir as suas carreiras ou optar por ser donas de casa e ambas estas escolhas são perfeitamente válidas – o que é essencial é que nenhuma das duas diga à outra que a sua escolha é errada. E é curioso que se acuse as feministas de evitarem deformar o corpo, quando sempre lutámos contra uma ideia preconcebida do corpo feminino, defendendo o direito a um corpo que envelheça naturalmente, o corpo com estrias, com verrugas, com celulite, e que não deve ser criticado por isso. Infelizmente, é legítimo que uma mulher tema perder o emprego devido à gravidez, uma vez que é prática de muitas entidades patronais não colaborar com uma mulher que opte por engravidar.

De igual forma, não é verdade que as feministas não sejam elegantes “no vestir e no estar”. Isto corresponde a mais um estereótipo de que as feministas não são femininas, não se depilam nem se arranjam para “afugentar” o patriarcado, como se muitas de nós não gostássemos de nos expressar através da maquilhagem e da moda. Simplesmente nos opomos aos padrões de beleza impostos pela sociedade, que se caracterizam pela preferência da mulher magra, loura e de olhos azuis e sem um único pêlo no corpo.

Note-se que o problema não é Joana expressar a sua opinião e defender que o seu potencial é somente maternal e matrimonial – o problema é generalizar essa sua visão do que a mulher deve ser, ou seja, falar por todas nós. Ao contrário do que outros cronistas querem fazer parecer, descartando o problema, nós não criticamos a escolha de uma mulher que queira casar e ter filhos. Criticamos apenas a mentalidade de uma mulher que quer impor esse seu ideal feminino às demais, num texto com laivos de revista dos anos 50. Pena que a cronista conheça tão pouco o trabalho feminista a ponto de escrever que a mulher “dedica menos tempo que o homem às causas partidárias e ao estudo da História e da actualidade, enquanto conhecimento necessário para defender e representar uma Nação”. Não só isso não é verdade, pois inúmeras figuras históricas se destacaram nesse estudo e na luta pela visibilidade feminina (que Joana tenta agora apagar), como essa dedicação só aumenta ao longo dos anos – tal como escrevia Virginia Woolf, a mulher só não estudava tanto como o homem porque não lhe era dada essa possibilidade e as que o faziam só o conseguiam devido à estabilidade financeira da família.

A ideia fundamental é que a mulher pode escolher o lugar que quiser: ser “doce e cândida”, ter sete filhos e dedicar-se às tarefas domésticas ou dedicar-se exclusivamente à carreira, ter sexo fácil e pavonear-se nas slutwalks (paradas onde “expõe o corpo de forma grosseira” enquanto grita coisas igualmente grosseiras como “o meu corpo, as minhas regras” e “Justiça machista não é Justiça”). A propósito de Justiça, é importante não esquecer que, enquanto discutimos as palavras da cronista, Neto de Moura se dedica à nobre causa de processar todos os que o acusaram de misoginia pelos acórdãos em que justifica a violência doméstica se a vítima for adúltera e, mais recentemente, por retirar a pulseira electrónica a um agressor, colocando a vítima em perigo. Neste momento, comparecer às paradas feministas não pode ser visto como uma diversão que nos reduz à promiscuidade, mas sim uma necessidade urgente.

Ler artigo completo ...