Memória e Resistência LGBTI durante a ditadura portuguesa, uma obra de Raquel Afonso

408

Uma conclusão perturbante deste livro é que o final da ditadura, com a queda de Salazar e a rendição de Caetano, e o início da democracia, marcos importantíssimos na vida do país, e conquistados em 25 de Abril de 1974, tardaram para as pessoas LGBT. Mas os movimentos cívicos foram fazendo o seu caminho e provaram que a resiliência é talvez uma das marcas mais importante destas pessoas que, apesar de não constituírem um grupo homogde disfarces. omogas diferentes e de nade em grandes ap pela maioria dos paseu lugar sem precisarem de usar véneo, estão (todas) habituadas (desde sempre) à discriminação – aberta ou velada , mas sempre discriminação.

Ler artigo completo ...

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
Partilhar
Artigo anteriorAbstenção
Próximo artigoHá sempre qualquer coisa
Capazes é uma Associação Feminista que tem como objectivo promover a igualdade de género.