ESTAS SÃO AS MINHAS MAMAS

7708

Estava à espera disso a qualquer altura. Como se um caroço ou nódulo tivessem algo distintivo para o comum dos mortais. Luzes a sair daquela massa ou cartazes à volta. Porque o que surge a preto e branco, no monitor, tem aquele aspecto inocente, sonso, disfarçado. O que surge no ecrã tem a imagem indistinta do todo. Assemelha-se ao que é parte de mim, do meu interior, o meu tecido, a minha pele, o meu sangue. E eu ali deitada, sempre alerta, sempre atenta, como se o meu instinto pudesse superar a sabedoria médica que me falha e proferir “Ahhhh, aquela imagem é suspeita, aposto… aquilo, ali, no monitor, deve ser uma coisinha má. Veja lá bem, Doutora…”.

Ler artigo completo ...