As palavras que matam

734
O meu espaço é a tua ausência. É tão difícil amar-te assim! Mas o facto, é que ainda te amo.

O meu espírito dilacerado já não coleciona as tuas sílabas imundas.

Já não sou. Já não caminho, flutuo.

Ler artigo completo ...

1
2
3
4
5
Partilhar
Artigo anteriorA vítima é a única inocente
Próximo artigoMelanie Cleese